Grande Expresso Transiberiano

Grande Expresso Transiberiano

  • fevereiro 2018
  • Postado Por ABC Turismo
  • 0 Comentários

GRANDE EXPRESSO TRANSIBERIANO – A ferrovia mais famosa e incrível do mundo, sem dúvida, é a Transiberiana.

Viaje de Moscou a Pequim ou Pequim a Moscou. São 16 dias da Europa até a Ásia a bordo de um dos trens mais exclusivos do mundo. O trem percorre a Rússia inteira, parando em cidades e pontos turísticos interessantíssimos como Kazan, Ekaterimburgo e lago Baikal.

Sugestão de roteiro:

1º dia – sábado – MOSCOU.

Chegada a Moscou. Receptivo no aeroporto internacional (Sheremétyevo, Vnukovo ou Domodedovo). Traslado sem acompanhamento de guia ao hotel e alojamento após as 15:00. À noite, jantar de boas-vindas. Restante do tempo livre.

2º dia – domingo – MOSCOU.

Pela manhã, city tour pela capital russa, passando pela Praça Vermelha, pelo mosteiro de Novodévitchy, colina dos Pardais e parque da Vitória, entre outros pontos históricos importantes da cidade. Visita ao Kremlin, núcleo histórico da capital e epicentro do poder até 1712 e novamente a partir de 1918, e ao menos uma de suas catedrais. À tarde, traslado para a estação ferroviária e embarque no Grande Expresso Transiberiano. Partida rumo à Yekaterinburg, primeira parte do percurso de 7.502 km rumo a Pequim. Jantar e pernoite a bordo.

3º dia – segunda-feira – YEKATERINBURG.

Dia a bordo do trem. Travessia de infindáveis paisagens de florestas, lagos e pequenos povoados. Serão oferecidas palestras a bordo para que se conheça um pouco mais dos países visitados e suas culturas. No início da noite, chegada a Yekaterinburg, capital dos Montes Urais. Alojamento em hotel.

4º dia – terça-feira – YEKATERINBURG.

Pela manhã, visita panorâmica à cidade que é considerada importante centro econômico, administrativo, histórico e cultural dos Montes Urais. Yekaterinburg teve seu desenvolvimento baseado no crescimento industrial a partir do século XVIII, além de suas riquezas minerais e notável participação durante a Revolução Russa e a Segunda Guerra Mundial.

City tour com visita aos mais importantes monumentos arquitetônicos do classicismo russo entre os séculos XVIII e XIX, ao Obelisco (marca virtual da fronteira natural entre a Europa e a Ásia) e a Igreja no Sangue, homenagem ao Czar Nicolau II e sua família. Cercada pelas construções vizinhas de estilo bizantino, a igreja foi construída recentemente no local onde um dos últimos membros da dinastia Romanov foi executado, em 1918. Atualmente, os Romanov foram elevados ao status de santos.

Á tarde visita a Ganina Yama, considerado local sagrado pelos russos. Aqui será possível ver um aglomerado de pequenas capelas de madeira erguidas nos anos 90 em homenagem a família dos Romanov, que após ter sido assassinada, foi cremada neste lugar. Retorno ao trem e partida com destino à Novosibirsk. Pernoite a bordo.

5º dia – quarta-feira – NOVOSIBIRSK.

Após cruzar definitivamente a fronteira russa entre Europa e Ásia, chegada à Novosibirsk. Considerada a maior cidade da Sibéria, às margens do rio Ob, Novosibirsk é surpreendentemente estilosa. Fundada em 1898, a cidade não existiria se não fosse em função da ferrovia transiberiana. A cidade cresceu gloriosa a partir de 1920, com o crescimento industrial e como centro de transportes, acelerando sua expansão em 1930 com a construção da ferrovia Turquestão-Sibéria, até Almaty, no Cazaquistão, tornando-se assim uma cidade crucial entre Rússia e Ásia Central, além de ter sido eleita cidade acadêmica dos cientistas soviéticos, em 1958. Chegada ao final da tarde, alojamento em hotel.

6º dia – quinta-feira – NOVOSIBIRSK.

City tour passando pela Avenida Vermelha e pela famosa Praça Lênin, com visita ao grandioso Teatro de Ballet e Ópera, com cúpulas prateadas, construção notória, maior que o Ballet Bolshoi, de Moscou. À tarde, visita ao museu ferroviário, situado nos arredores da cidade, museu a céu aberto com uma coleção de mais de 60 locomotivas movidas a vapor, diesel e eletricidade. Retorno ao trem e partida com destino à Krasnoyarsk. Pernoite a bordo.

7º dia – sexta-feira – KRASNOYARSK.

Pela manhã, chegada à Krasnoyarsk, na época soviética fechada para os estrangeiros, hoje recebe visitantes de todas as partes do mundo como importante trecho da ferrovia transiberiana. Às margens do magnífico rio Yenisei, principal rio dos três maiores da Sibéria, com escoamento no oceano Ártico, a cidade se formou a partir de um forte cossaco no século XVII, mas o real desenvolvimento foi impulsionado pela descoberta de ouro no século XIX e pelo crescimento das indústrias durante a Segunda Guerra Mundial, deixando de herança típicos e charmosos prédios de ambas as épocas, espalhados pela avenida principal, a Prospekt Mira. O city tour de meio período passará pelos principais pontos históricos e culturais, com uma vista privilegiada da cidade. Retorno ao trem e partida com destino a Irkutsk. Pernoite a bordo.

8º dia – sábado – IRKUTSK.

Chegada a Irkutsk pela manhã. City tour pela cidade, fundada em 1651 como guarnição cossaca e antigo centro administrativo da Sibéria Oriental, canal de permuta de peles siberianas e marfim para a Mongólia, Tibete e China em troca de seda e chá. A cidade esteve durante longo tempo na rota dos prisioneiros políticos, muito deles nobres exilados de Moscou e São Petersburgo, mas também foi um florescente centro comercial antes da Revolução, quando finalmente sucumbiu aos socialistas em 1920. Continuação do passeio por antigos bairros formados de casas de madeira tradicional siberiana e janelas detalhadamente esculpidas, estilo herdado da aristocracia russa, passando pela principal rua – ulitsa Karla Marksa (Rua Karl Marx), formada de comércios, igrejas e catedrais ortodoxas, pela Praça Kirov e pelo museu dos Decembristas. A seguir, concerto clássico especial na casa do líder decembrista Serguéi Volkonsky. Exilado com a esposa na Sibéria por 30 anos, a família Volkonsky viveu 17 anos na casa, onde ainda se encontram alguns dos móveis e pertences da época. Alojamento em hotel.

9º dia – domingo – IRKUTSK – LISTVYANKA.

Pela manhã, um percurso de uma hora de ônibus levará os viajantes do Grande Expresso Transiberiano às margens do lago mais profundo do mundo, cujo volume corresponde a 1/5 da água doce em estado líquido total do planeta, o Lago Baikal. Chegada à aldeia de Listvyanka, que vive do turismo e da navegação e possui sua maior atração no bairro de Kristovska; será realizada visita à pitoresca igreja de São Nicolau, toda construída em madeira. O almoço terá no cardápio o peixe Omul, espécime singular desta bacia.

À tarde, passeio de barco até a pequena vila de Porto Baikal onde o trem fretado estará à espera de seus hóspedes. Este segmento da ferrovia, de grande apelo cênico, cercado por belas montanhas e paralelo às águas azuis e límpidas do Baikal, entre Porto Baikal e Sludyanka, trata-se de um beco sem saída da transiberiana atual; por ele só costumam transitar os trens turísticos e pequenos comboios que fazem o abastecimento dos povoados locais. Durante o deslocamento, o trem funcionará em baixa velocidade visando o máximo aproveitamento desta experiência.

Haverá uma parada para fotos em um ponto estratégico, onde todos poderão sair do trem, visitar as casinhas de madeira do lugarejo, colocar os pés na água fria e clara, e por que não se banhar nelas?

O churrasco à beira do lago, shashlik, servido em espetinhos, é também uma parte especial do programa.

Retorno ao trem e prosseguimento da viagem rumo à Ulan Ude. Pernoite a bordo.

10º dia – segunda-feira – ULAN UDE.

Chegada pela manhã à capital da república autônoma Buryatia, ainda em solo russo. Nascida a partir de um antigo posto de cossacos russos no século XVIII, o desenvolvimento maior da cidade se deu em função das paradas de caravanas de chá provenientes da China. É curioso notar os traços dos cidadãos locais. Com 30% da população sendo proveniente da Mongólia, há uma enorme mistura entre as nacionalidades russa e mongol, com alguns dialetos correntes, porém a língua predominante ainda é o russo. Ulan Ude se encontra 456 km de distância de Irkutsk e é considerada a despedida da Sibéria e uma sensível preparação para a Mongólia e China. Visita panorâmica da cidade.

À tarde, o trem sairá da principal ferrovia transiberiana para seguir a ferrovia Transmongoliana, alcançando mais tarde o último posto russo antes da fronteira com a Mongólia. Todas as formalidades aduaneiras serão feitas a bordo do próprio trem, não sendo necessário deixar que os viajantes desocupem as cabines. Continuação da viagem com destino a Ulan Bator. Pernoite a bordo.

11º dia – terça-feira – ULAN BATOR.

Logo cedo, chegada a Ulan Bator e city tour pelas principais atrações turísticas da capital da Mongólia, incluindo a praça principal Sukhe Bator e a colina do Memorial Zaisan, dedicado aos soldados e heróis desconhecidos das várias guerras, de onde se tem a melhor vista da cidade. Visita ao mosteiro Gandan, o mais importante mosteiro budista da capital e o segundo maior do país. À tarde, visita ao palácio de inverno do Bogd Khan, líder espiritual e temporal dos mongóis até a revolução comunista. O palácio, hoje transformado em museu, tem seis templos em seu território. Alojamento no hotel.

À noite será apresentado um show folclórico com músicas e danças típicas mongóis.

12º dia – quarta-feira – ULAN BATOR – TERELJ – ULAN BATOR.

Excursão de dia inteiro ao Parque Nacional de Terelj (a 80 km). A excursão inclui visita à Rocha da Tartaruga e visita a uma casa típica mongol, ou seja, tradicionais famílias nômades que vivem nas yurtas. Na sequência, será oferecido um espetáculo especial, amostra do festival tradicional mongol “Naadan”, uma celebração vibrante e de muita extravagância esportiva, que normalmente acontece na Mongólia todos os anos nos dias 11, 12 e 13 de julho, em comemoração à Revolução Mongol de 1921. Ao final da tarde, retorno a Ulan Bator. Alojamento em hotel.

13º dia – quinta-feira – ULAN BATOR – PEQUIM.

É possível escolher entre duas opções de roteiros. Na escolha da opção № 2, aplica-se suplemento indicado na página 5 deste documento.

Opção № 1

Dia adicional para explorar e descobrir Ulan Bator. Pela manhã, visita ao Museu Nacional de História e visita a uma fábrica de cashmere. No horário apropriado, traslado para o aeroporto para embarque em voo com destino a Pequim (17:55-20:10). Chegada ao aeroporto internacional da capital, traslado ao hotel e alojamento.

Opção № 2

Pela manhã, embarque para uma jornada de 30 horas no trem regular de Ulan Bator para Pequim. Na parte da tarde, o trem chegará às planícies do Deserto de Gobi, que não é um deserto de areia, mas um deserto de pedras nessa parte da Mongólia. As temperaturas podem alcançar de 35 a 40º graus durante o verão. À noite, chegada à fronteira da Mongólia com a China, onde as bitolas do trem serão alteradas do padrão russo (1520 mm) para o padrão chinês (1435 mm). Acomodação a bordo dos vagões privados do trem regular chinês. Não há paradas para passeios no Deserto de Góbi.

14º dia – sexta-feira – PEQUIM.

Opção № 1

Pela manhã, passeio ao Templo do Céu, melhor exemplo de estilo da arquitetura Ming, o complexo era palco de rituais religiosos solenes por boas colheitas, iluminação espiritual e perdão dos pecados. O desenho, assim como as formas e cores das estruturas têm o significado simbólico de interação entre o céu e a terra. À tarde, visita à Cidade Proibida, complexo arquitetônico onde fica o palácio imperial. Na sequência, ao sul da Cidade Proibida, a Praça da Paz Celestial (Tiananmen), conhecida por ser a maior praça do mundo, cenário principal dos acontecimentos políticos chineses e onde se encontra o prédio do Parlamento.

Opção № 2

Antes do almoço, chegada a Pequim. À tarde, visita à Cidade Proibida, complexo arquitetônico onde fica o palácio imperial. Na sequência, ao sul da Cidade Proibida, a Praça da Paz Celestial (Tiananmen), conhecida por ser a maior praça do mundo, cenário principal dos acontecimentos políticos chineses e onde se encontra o prédio do Parlamento. Passeio ao Templo do Céu, melhor exemplo de estilo da arquitetura Ming, o complexo era palco de rituais religiosos solenes por boas colheitas, iluminação espiritual e perdão dos pecados. O desenho, assim como as formas e cores das estruturas têm o significado simbólico de interação entre o céu e a terra. Ao término das atividades, traslado para o hotel e alojamento. Resto do tempo livre.

15º dia – sábado – PEQUIM.

Pela manhã, excursão à Grande Muralha, que tem seis mil quilômetros de extensão, um dos monumentos arquitetônicos mais impressionantes construídos em todos os tempos. À tarde, visita ao Palácio de Verão de Pequim, um admirável complexo de lagos, palácios, jardins e pontes, construído no século XVIII para que a corte imperial tivesse um refúgio de verão ao insuportável calor da Cidade Proibida. As principais atrações do grande parque encontram-se junto ao amplo lago Kunming: a ponte de dezessete arcos e suas dezenas de leões de mármore sobre as balaustradas; o Longo Corredor, em cujos 700 metros estão pintadas milhares de cenas sobre a mitologia e história chinesas e a Colina da Longevidade e suas dezenas de pavilhões e edifícios históricos, como o Baoyun Ge e o Foxiang Ge. Um pouco mais a oeste, o Navio de Mármore cuja história remonta à derrocada da monarquia chinesa. À noite, jantar com pato laqueado.

16º dia – domingo – PEQUIM.

Neste dia, o quarto reservado estará disponível para uso até 12:00. No horário apropriado, traslado sem acompanhamento de guia ao aeroporto.

Fim de nossos serviços.

Este programa está sujeito a alterações na ordem das excursões segundo a disponibilidade do operador local.

Especificamente neste itinerário, sempre há riscos de atrasos nas partidas ou chegadas. Estes possíveis atrasos são inerentes aos horários previstos e pré-confirmados e são determinados pela companhia das estradas de ferro russa, podendo causar a perda parcial ou total da programação turística em quaisquer trechos a serem percorridos pelo roteiro apresentado.

Descrição da cabine em categoria turística: Os vagões de classe turística são compostos por nove cabines, que acomodam de dois até quatro passageiros. Cada cabine dispõe de duas camas inferiores (baixas) ou dois beliches, ar condicionado com controle central (permanece ligado somente quando o trem está em movimento) e corrente elétrica de 220V (ideal para máquinas de barbear, carregador de celulares e baterias de laptops). O vagão turístico oferece dois banheiros com lavatório sem chuveiro, um em cada ponta do vagão e são de uso comum para o máximo de 18 pessoas alojadas em nove cabines. Para a classe turística, haverá paradas estratégicas todos os dias em hotéis, para usufruto de chuveiros (higiene diária).

A parada estratégica diária nos hotéis é destinada somente para a Categoria Turística, uma vez que a Categoria Superior já possui banheiro (chuveiro e toalete) dentro da própria cabine, proporcionando maior conforto e disponibilidade de horário.

Descrição da cabine em categoria superior:

Superior Silver – Os vagões de classe superior silver são compostos por seis cabines, que acomodam até dois passageiros. Cada cabine dispõe de duas camas, uma inferior (baixa) e outra superior (alta), ar condicionado com controle individual (permanece ligado somente quando o trem está em movimento), corrente elétrica de 220V (ideal para máquinas de barbear, carregador de celulares e baterias de laptops) e banheiros privativos com chuveiro e cortina.

Superior Gold – Os vagões de classe superior gold são compostos por cinco cabines, que acomodam até dois passageiros. Cada cabine dispõe de duas camas, uma inferior (baixa) e outra superior (alta), ar condicionado com controle individual (permanece ligado somente quando o trem está em movimento), corrente elétrica de 220V (ideal para máquinas de barbear, carregador de celulares e baterias de laptops) e banheiros privativos com chuveiro em box de acrílico.

 

×CONTATO: Caso queira saber mais procure um de nossos consultores especialistas no assunto

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Telefone

Mensagem

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *